SOMOS TODOS IRMÃOS, TUTTI FRATELLI!?

A Campanha da Fraternidade deste ano, com o tema: “Fraternidade e Amizade Social”, e o lema: “Vós sois todos irmãos e irmãs” (cf. Mt 23,8), recorda-nos a carta encíclica do papa Francisco escrita em 2020, Fratelli Tutti (FT), que significa “Todos Irmãos”. Destacamos algumas frases desse documento que podem iluminar nosso cotidiano, nossa postura de vida, nossa relação humana, ajudando-nos no processo de construção de um mundo mais fraterno, onde todos realmente sejam vistos como membros de uma única família. Frases como esta, que o papa Francisco “retirou” do nosso conhecido Vinícius de Moraes, do Samba da Bênção, de 1962: “A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro na vida” (FT 215). Ou esta outra, que nos recorda de nossa vocação e missão para construir a paz: “Somos chamados a ser artífices da paz, unindo e não dividindo, extinguindo o ódio em vez de conservá-lo, abrindo caminhos de diálogo em vez de erguer novos muros” (FT 284). 

“A tarefa educativa, o desenvolvimento de hábitos solidários, a capacidade de pensar a vida humana de forma mais integral, a profundidade espiritual são realidades necessárias para dar qualidade às relações humanas… Devemos superar a ideia das políticas sociais concebidas como uma política para os pobres, mas nunca com os pobres, nunca dos pobres… A boa política procura caminhos de construção de comunidade nos diferentes níveis da vida social, a fim de reequilibrar e reordenar a globalização para evitar seus efeitos desagregadores” (grifo nosso. FT 167, 169, 182). 

“Somos chamados ao compromisso de viver e ensinar o valor do respeito, o amor capaz de aceitar as várias diferenças, a prioridade da dignidade de todo ser humano sobre quaisquer ideias, sentimentos, atividades e até pecados que possa ter… Amar o mais insignificante dos seres humanos como a um irmão, como se apenas ele existisse no mundo, não é perder tempo… Se consigo ajudar uma só pessoa a viver melhor, isso já justifica o dom da minha vida” (FT 191, 193, 195). 

“O diálogo perseverante e corajoso ajuda o mundo a viver melhor… Um país cresce quando dialogam de modo construtivo suas diversas riquezas culturais…” (FT 198, 199). 

“O processo de paz é um empenho que se prolonga no tempo. É um trabalho paciente de busca da verdade e da justiça, que honra a memória das vítimas e abre, passo a passo, para uma esperança comum, mais forte do que a vingança… A verdade é uma companheira inseparável da justiça e da misericórdia” (FT 226, 227). 

“A construção da paz social em um país exige o compromisso de todos… A verdadeira reconciliação não escapa do conflito, mas alcança-se dentro do conflito, superando-o através do diálogo e de negociações transparentes, sinceras e pacientes… Aqueles que perdoam de verdade não esquecem, mas renunciam a deixar-se dominar pela mesma força destruidora que os feriu” (FT 232, 244, 251). 

Fonte: CNBB

O papel da Virgem Maria na Quaresma

Não há tempo litúrgico na Igreja em que a Virgem Maria esteja ausente.

santa Maria

A vida da Virgem Maria, foi em tudo fazer a vontade de Deus e sua participação na Quaresma pode ser compreendida sob outra ótica: ensinar-nos a viver o tempo quaresmal. No plano salvífico de Deus (ver Lc 2,34-35) estão associados Cristo crucificado e a Virgem dolorosa. Como Cristo é o “homem de dores” (Is 53,3), por meio do qual se agradou Deus em “reconciliar consigo todos os seres: os do céu e os da terra, fazendo a paz pelo sangue de sua cruz” (Col 1,20), assim Maria é a “mulher da dor”, que Deus quis associar a Seu Filho, como mãe e partícipe da Paixão. Dos dias da infância de Cristo, toda a vida da Virgem, participando do rechaço de que era objeto do Filho, transcorreu sob o sinal da espada (ver Lc 2,35).

Por isso a Quaresma é também tempo oportuno para crescer em nosso amor filial Àquela que ao pé da Cruz entregou a seu Filho, e se entregou Ela mesma com Ele, por nossa salvação. Este amor filial podemos expressar durante a Quaresma impulsionando certas devoções marianas próprias deste tempo: “As sete dores de Santa Maria Virgem”; a devoção a “Nossa Senhora, a Virgem das Dores” (cuja memória litúrgico se pode celebrar na sexta-feira da V semana de Quaresma; e a reza do Santo Rosário, especialmente os mistérios de dor).

Também podemos impulsionar o culto da Virgem Maria através de Missas da Bem-aventurada Virgem Maria, cujos formulários de Quaresma podem ser usados no sábado.

Fonte: Comunidade Shalom

 

Dez sugestões de oração para você viver bem a Quaresma

Se queremos viver uma Quaresma frutuosa e morrer para nossas próprias paixões, a chave da vitória é mergulhar na oração profunda, intensa, fervorosa e constante. Neste texto, confira dez práticas de oração que você pode adotar neste “tempo forte”.


Deus, sempre tão bom, derrama sobre nós a todo o tempo as mais abundantes graças. Sua Igreja, que é chamada seu Corpo místico, faz chover incessantemente sobre nós uma torrente de graças. Isso se manifesta de uma maneira muito especial no ciclo litúrgico da Igreja, mais especificamente nos tempos fortes — tanto o Advento, que leva ao Natal, quanto a Quaresma, culminando na Semana Santa e na solenidade de todas as solenidades, a Páscoa!

Certamente já aconteceu com todos nós de estarmos absorvidos e imersos em tantas atividades — família, sociedade e trabalho — que esses grandes tempos de graça passam por nós como um raio e descobrimos que mal entramos nas profundezas do oceano, do abismo de graças que bate à porta de nossos corações. O livro do Apocalipse nos adverte: “Eis que estou à porta e bato: se alguém ouvir a minha voz e me abrir a porta, entrarei em sua casa e cearemos, eu com ele e ele comigo” (3, 20). O grande Santo Agostinho comenta sobre esta passagem que Jesus é o peregrino que bate e, se não abrirmos a porta, Ele seguirá em frente e nunca mais entrará para nos visitar. Deus não permita que seja assim para nós!

Por isso, apresentamos dez orações específicas que podemos oferecer ao Senhor ao celebrar seu maior ato de amor por todos nós — sua Paixão, Morte e Ressurreição. Para ser franco e direto: se queremos viver uma Quaresma frutuosa e morrer para nossas próprias paixões, a chave da vitória é mergulhar na oração profunda, intensa, fervorosa e constante.

Que esta seja a melhor Quaresma de nossas vidas!

1. Contemple a Jesus na Cruz

São Vicente Pallotti em oração diante do crucifixo.

Uma forma de oração altamente recomendada por Santo Inácio de Loyola em seus Exercícios Espirituais é a contemplação. Portanto, durante a Quaresma, é bom passar pelo menos algum tempo diante de uma imagem, pintura ou qualquer outra representação de Jesus pendente na Cruz por amor a você e a mim.

Tenha em mente as palavras de Santo Inácio: Jesus morreu por toda a humanidade. No entanto, Ele também morreu por você. Ainda que você fosse a única pessoa no mundo, Jesus teria sofrido as dores mais amargas e agonizantes de sua Paixão e Morte por amor a você e pela salvação de sua alma. Quão precioso você é aos olhos de Deus e quão valiosa é sua alma imortal!

2. Reze a Via-Sacra

Outra oração devocional salutar e eficaz, especialmente propícia no tempo da Quaresma, é rezar a Via Crucis. Em sua paróquia, provavelmente há uma no interior da própria igreja. Basta mover-se devagar, em oração e com o olhar contemplativo, de cada uma das 14 estações para a próxima.

Essa prática pode ser feita de várias maneiras: em um ambiente de grupo conduzido por alguém; individualmente, usando um bom livro (uma das melhores Vias-Sacras foi escrita por Santo Afonso de Ligório); ou simplesmente olhando e contemplando com amor e devoção cada estação e formulando sua própria oração espontânea.

Não é uma má ideia trazer seus pequeninos para participar dessa devoção e ensiná-los a amar Jesus, que nos amou tanto, sofreu e suportou todos esses sofrimentos por amor a nós.

3. Medite sobre as Sete Dores de Maria

“Madonna della Rosa”, por Simão de Pésaro.

Em todos os tempos e lugares, a meditação e contemplação das Sete Dores de Maria podem mover nossos corações a amar Jesus com maior fervor e devoção. Se você não está familiarizado com esta prática, as sete dores de Maria são: 1) a profecia de Simeão; 2) a fuga para o Egito; 3) a perda de Jesus por três dias no Templo; 4) o encontro de Jesus e Maria no caminho do Calvário; 5) a crucificação e morte de Jesus; 6) o corpo de Jesus retirado da Cruz e colocado nos braços de Maria (Pietà); 7) o sepultamento de Jesus.

4. Medite sobre as Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz

Outra meditação poderosa seria sobre as sete últimas palavras de Jesus na Cruz. O Venerável Arcebispo Fulton Sheen escreveu e pregou inúmeras vezes sobre essas palavras, especialmente na Semana Santa. Suas sete últimas palavras são as seguintes: 1) “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lc 23, 34); 2) “Tenho sede” (Jo 19, 28); 3) “Mulher, eis aí teu filho… Filho, eis aí tua mãe” (Jo 19, 26s); 4) “Em verdade te digo: hoje estarás comigo no paraíso” (Lc 23, 43); 5) “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?” (Mt 27, 46); 6) “Pai, em tuas mãos entrego meu espírito” (Lc 23, 46); e 7) “Tudo está consumado” (Jo 19, 30).

5. Leia e medite os relatos da Paixão nos quatro Evangelhos

Mergulhe nas fontes mais autênticas da Paixão e Morte de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, isto é, a Bíblia, os quatro Evangelhos. Eles podem ser encontrados em Mateus 26-27, Marcos 14-15, Lucas 22-23 e João 18-19.

Você pode ler todos os relatos e rezar sobre eles, observando os diferentes detalhes e pequenas nuances em cada Evangelho.

6. Reze o Salmo 22

“O Escárnio de Cristo”, por Godfried Schalcken.

É realmente fascinante a leitura e meditação do Salmo 22, do Antigo Testamento. Sem sombra de dúvida, este salmo profético destaca muitos dos detalhes da Paixão de Jesus e seus sofrimentos, centenas de anos antes de Jesus nascer. Outra razão para crer na realidade de Jesus ser verdadeiramente o Filho do Pai eterno. Leia este salmo com atenção e você sentirá como se estivesse sendo transportado até os pés da Cruz com Maria, João e Madalena na Sexta-feira Santa.

7. Participe do santo sacrifício da Missa

De longe, a oração mais poderosa, eficaz e agradável que podemos oferecer a Deus é o santo sacrifício da Missa. De fato, o que é a Missa, senão o sacrifício do Calvário, no qual Jesus se oferece ao Pai, pelo poder do Espírito Santo, para a salvação de toda a humanidade? Se possível, assista diariamente à Missa na Quaresma e receba a Eucaristia dignamente e com muito amor e devoção.

8. Assista a bons filmes

Outra forte exortação, no domínio da oração contemplativa, seria ver a um destes filmes, se não todos: “A Paixão de Cristo”, de Mel Gibson; “Marcelino Pão e Vinho” (1955); e “Os Mistérios do Rosário”, de Patrick Peyton (III e III). No entanto, coloque suas lentes contemplativas e se esforce para vê-los não tanto como produções de Hollywood, mas como uma oração contemplativa. As imagens, especialmente de “A Paixão de Cristo”, ficarão gravadas em sua memória e poderão ser evocadas na oração quando você for à sua Hora Santa.

O que nos leva à próxima sugestão de viver a mais fecunda Quaresma de nossas vidas…

9. Faça a Hora Santa

“A Crucificação”, por Johannes Stradanus.

Seja generoso com o Senhor Jesus, que deu cada gota de seu Preciosíssimo Sangue por você. Esforce-se, se possível, por fazer uma Hora Santa diária. Fulton Sheen a chamava de “hora do poder”. Idealmente, é melhor fazê-la diante do Santíssimo Sacramento, onde Jesus está real e substancialmente presente em seu Corpo, Sangue, Alma e Divindade. Se isso não for viável, então você pode encontrar um lugar tranquilo em sua casa — seu recanto de oração ou santuário doméstico. Essa prática vai transformar sua vida!

10. Recite os Mistérios Dolorosos do Santo Rosário

O Papa São João Paulo II, em sua obra-prima mariana Rosarium Virginis Mariae, sugere que contemplemos o rosto de Jesus através dos olhos de Maria. Que melhor método pode haver para contemplar Jesus, o homem das dores pendente na Cruz, do que através dos olhos de Maria?

Para refrescar a memória, os Mistérios Dolorosos do Rosário são: 1) a agonia no horto das oliveiras; 2) a flagelação na coluna; 3) a coroação de espinhos; 4) o carregamento da cruz; 5) a crucificação e morte de Jesus.

Enfim, é nossa oração e desejo mais ardente que todos os nossos leitores tenham o seu  mais fecundo tempo quaresmal, esforçando-se por implementar essas práticas de oração quaresmal, culminando na mais imensa alegria da Páscoa e do Senhor Jesus ressuscitado. Que todos nós morramos para o pecado e ressuscitemos com Jesus e Maria!

Fonte: padrepauloricardo.org

Papa: inveja e vanglória, vícios de quem sonha ser o centro do mundo

Na Audiência Geral desta quarta-feira (28), Francisco deu continuidade ao ciclo de catequeses sobre os vícios e as virtudes. O texto da reflexão dedicado à inveja e à vanglória foi proferido por mons. Ciampanelli, colaborador da Secretaria de Estado. Para combater esses vícios, os remédios são o amor gratuito e o reconhecimento de que Deus está presente em nossa própria fraqueza.


Após uma semana de pausa, devido ao retiro espiritual quaresmal dos membros da Cúria Romana, e ainda se recuperando de uma “leve gripe”, conforme comunicado pela Sala de Imprensa da Santa Sé, que levou o Pontífice a cancelar algumas atividades no sábado e na segunda-feira, Francisco esteve presente na Sala Paulo VI para a Audiência Geral desta quarta-feira, 28 de fevereiro.

Ao saudar os fiéis e peregrinos, o Papa afirmou: “Queridos irmãos e irmãs, ainda estou um pouco resfriado. Por isso, pedi ao mons. Ciampanelli para ler a catequese de hoje”, e em seguida, o colaborador da Secretaria de Estado proferiu o discurso que dá continuidade à reflexão sobre os vícios e as virtudes.

Francisco, no momento em que explica aos fiéis que confiou a leitura da catequese ao monsenhor Ciampanelli

O rosto do invejoso é sempre triste

“Hoje examinaremos dois pecados capitais que encontramos nas grandes listas que a tradição espiritual nos deixou: a inveja e a vanglória”, introduz mons. Ciampanelli, dedicando a primeira parte da reflexão à inveja:

“Quando lemos a Sagrada Escritura, percebemos que este vício nos é apresentado como um dos mais antigos: o ódio de Caim por Abel é desencadeado quando ele percebe que os sacrifícios do seu irmão agradam a Deus. O rosto do invejoso é sempre triste: o seu olhar está abaixado, parece examinar continuamente o chão, mas na realidade não vê nada, porque a mente está envolvida por pensamentos cheios de malícia. A inveja, se não for controlada, leva ao ódio pelos outros. Abel será morto pelas mãos de Caim, que não podia suportar a felicidade do irmão.”

Deus tem uma “matemática” própria

O texto do Papa sublinha que “na raiz deste vício existe uma relação de ódio e amor: deseja-se mal ao outro, mas secretamente deseja-se ser como ele”.

A inveja nos faz criar uma falsa ideia de Deus, não se aceita que Deus tenha uma “matemática” própria, diferente da nossa:

“Gostaríamos de impor a Deus a nossa lógica egoísta, mas a lógica de Deus é o amor. Os bens que Ele nos dá são feitos para serem partilhados. É por isso que São Paulo exorta os cristãos: ‘Com amizade fraterna, sede afetuosos uns com os outros. Rivalizai uns com os outros na estima recíproca’ (Rm 12,10). Eis aqui o remédio para a inveja!”

Aula Paulo VI durante a Audiência Geral desta quarta-feira, 28 de fevereiro

A vanglória é uma autoestima inflada e infundada

A segunda parte da catequese de Francisco volta-se para a vanglória, e mons. Ciampanelli, na leitura do texto, recorda que este vício anda de mãos dadas com o demônio da inveja, sendo típico de quem aspira ser o centro do mundo, livre para explorar tudo e todos, objeto de todo louvor e todo amor:

“A pessoa vangloriosa não tem empatia e não percebe que existem outras pessoas no mundo além dela. As suas relações são sempre instrumentais, caracterizadas pela opressão dos outros. A sua pessoa, as suas façanhas, os seus sucessos devem ser mostrados a todos: é uma perpétua mendiga da atenção. E se, às vezes, suas qualidades não são reconhecidas, fica extremamente irritada. Os outros são injustos, não entendem, não estão à altura.”

Nas fraquezas, a força de Cristo

“Para curar os vangloriosos, os mestres espirituais não sugerem muitos remédios”, recorda o texto do Papa, “porque, em última análise, o mal da vaidade tem em si o seu remédio: os elogios que o vanglorioso esperava colher no mundo logo se voltarão contra ele. E quantas pessoas, iludidas por uma falsa imagem de si mesmas, caíram em pecados dos quais logo se envergonhariam!”

Na conclusão, mons. Ciampanelli ressalta na leitura da catequese, que a mais bela instrução para vencer a vanglória encontra-se no testemunho de São Paulo:

“O Apóstolo sempre teve de lidar com uma falha que nunca foi capaz de superar. Três vezes pediu ao Senhor que o libertasse daquele tormento, mas no final Jesus respondeu-lhe: ‘Basta-te a minha graça, pois é na fraqueza que a força se consuma’. A partir daquele dia, Paulo foi libertado. E a sua conclusão deveria tornar-se também a nossa: ‘É, portanto, de bom grado que prefiro gloriar-me nas minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo’ (2Cor 12,9).”

Audiência Geral com o Papa Francisco

Confessar-se: como e porque

Confessar-se: como e porque “O perdão é pedido a outra pessoa, e na Confissão pedimos o perdão a Jesus. O perdão não é fruto dos nossos esforços, mas uma dádiva, um dom do Espírito Santo, que nos enche com a misericórdia e a graça que surge incessantemente do Coração aberto de Cristo Crucificado e Ressuscitado.” Papa Francisco, Audiência 19/02/2014

1. Confessar-se, por quê?

A Confissão é um sacramento instituído por Jesus Cristo para perdoar os pecados, quando disse aos seus apóstolos: “Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos.” Jo, 20,23.

Porque a vida nova que nos foi dada por Ele no batismo pode debilitar-se e perder-se por causa do pecado. Por isso, Cristo quis que a Igreja continuasse a sua obra de cura e de salvação mediante este sacramento.

Pela absolvição sacramental do sacerdote, que atua em nome de Cristo, Deus concede ao penitente o perdão e a paz, recupera a graça pela qual vive como filho de Deus e pode chegar ao céu, a felicidade eterna.

Cf. Catecismo da Igreja Católica, 1420-1421; 1426; 1446.

2. O que é o pecado?

“ELE NUNCA SE CANSA DE PERDOAR, MAS NÓS ÀS VEZES CANSAMO-NOS DE PEDIR PERDÃO .” PAPA FRANCISCO

O pecado é uma falta contra a razão, a verdade, a reta consciência. É uma falha contra o verdadeiro amor para com Deus e para com o próximo, por causa dum apego perverso a certos bens. Fere a natureza do homem e atenta contra a solidariedade humana. Santo Agostinho definiu-o como o “o amor de si próprio levado até ao desprezo de Deus”. Por esta exaltação orgulhosa de si, o pecado é diametralmente oposto à obediência de Jesus que realiza a salvação (cf. Flp 2, 6-9).

Os pecados distinguem-se segundo a sua gravidade em mortal e venial. O pecado mortal destrói a caridade no coração do homem por uma infração grave à Lei de Deus. Desvia o homem de Deus, que é o seu último fim, a sua bem-aventurança, preferindo-Lhe um bem inferior. O pecado venial deixa subsistir a caridade, embora a ofendendo e ferindo-a.

Para que um pecado seja mortal requerem-se, em simultâneo, três condições: «É pecado mortal o que tem por objeto uma matéria grave, e é cometido com plena consciência e de propósito deliberado».

matéria grave é precisada pelos Dez mandamentos segundo a resposta que Jesus deu ao jovem rico: «Não mates, não cometas adultério, não furtes, não levantes falsos testemunhos, não cometas fraudes, honra pai e mãe» (Mc 10, 18). A gravidade dos pecados é maior ou menor: um homicídio é mais grave que um roubo. A qualidade das pessoas lesadas também entra em linha de conta: a violência cometida contra pessoas de família é, por sua natureza, mais grave que a exercida contra estranhos.

Comete-se um pecado venial quando, em matéria leve, não se observa a medida prescrita pela lei moral ou quando, em matéria grave, se desobedece à lei moral, mas sem pleno conhecimento ou sem total consentimento. O pecado venial enfraquece a caridade, traduz um afeto desordenado aos bens criados, impede o progresso da pessoa no exercício das virtudes e na prática do bem moral; e merece penas temporais. O pecado venial deliberado e não seguido de arrependimento, dispõe, a pouco e pouco, para cometer o pecado mortal.

Cf. Catecismo da Igreja Católica, 1849-1864.

Contemplar o mistério

Não nos podemos surpreender. Arrastamos dentro de nós – consequência da natureza decaída – um princípio de oposição, de resistência à graça: são as feridas do pecado de origem, exacerbadas pelos nossos pecados pessoais. Portanto, devemos empreender essas ascensões, essas tarefas divinas e humanas – as de cada dia, que sempre desembocam no Amor de Deus -, com humildade, de coração contrito, fiados na assistência divina e dedicando-lhes os nossos melhores esforços, como se tudo dependesse de nós. Amigos de Deus, 214

Agora compreendes como fizeste sofrer Jesus, e te enches de dor: que simples pedir-Lhe perdão e chorar as tuas traições passadas! Não te cabem no peito as ânsias de reparação!

Muito bem. Mas não esqueças que o espírito se penitência consiste principalmente em cumprir, custe o que custar, o dever de cada instante. Via Sacra, IX Estação, ponto 5

3. O que é preciso para fazer uma boa Confissão?

Para fazer uma boa Confissão é necessário: um diligente exame de consciência dos pecados cometidos desde a última Confissão; a contrição ou arrependimento; a confissão, ou a acusação dos pecados feita ao sacerdote e a satisfação ou penitência imposta pelo confessor ao penitente para reparar o dano causado pelo pecado.

Para fazer o exame de consciência ajuda recordar os pecados cometidos desde a última confissão à luz dos dez mandamentos, do Sermão da montanha e dos ensinamentos apostólicos.

contrição consiste na dor e detestação do pecado cometido, porque é uma ofensa a Deus e aos outros, e inclui o desejo de não voltar a pecar.

Pela confissão ou acusação o homem confronta-se com os pecados de que se sente culpado, assume a sua responsabilidade e por isso abre-se de novo a Deus e à comunhão com a Igreja. Devem-se enumerar todos os pecados mortais de que se tem consciência depois de se ter examinado com seriedade, inclusivamente se esses pecados são muito secretos, pois por vezes esses pecados ferem mais gravemente a alma e são mais perigosos que os que se cometeram à vista de todos.

A confissão de todos os pecados cometidos manifesta a verdadeira contrição e o desejo da misericórdia divina. É como quando o doente mostra a sua chaga ao médico para ser curado.

SE ALGUMA VEZ CAIS, FILHO, ACODE PRONTAMENTE À CONFISSÃO E À DIREÇÃO ESPIRITUAL: MOSTRA A FERIDA!, PARA QUE TE CUREM A FUNDO, PARA QUE TE TIREM TODAS AS POSSIBILIDADES DE INFECÇÃO, MESMO QUE TE DOA COMO NUMA OPERAÇÃO CIRÚRGICA. FORJA 192

satisfação ou penitência. Se os pecados causam dano ao próximo, é preciso fazer o possível para repará-lo (por exemplo, restituir as coisas roubadas, restabelecer a reputação do que foi caluniado, compensar as feridas). A justiça é isto que exige. Mas além disso o pecado fere e debilita o próprio pecador, assim como a sua relação com Deus e com o próximo. A absolvição tira o pecado, mas não remedeia todas as desordens que o pecado causou. Libertado do pecado, o pecador deve ainda recobrar a plena saúde espiritual. Portanto, deve fazer algo mais para reparar os seus pecados: deve “satisfazer” de maneira apropriada ou “expiar” os seus pecados do modo que o confessor indicar.

Cf. Catecismo da Igreja Católica, 1451; 1455; 1456; 1459

Contemplar o mistério

Padre: como pode suportar todo este lixo?, disseste-me, depois de uma confissão contrita.

– Calei-me, pensando que, se a tua humildade te leva a sentir-te assim – como lixo, um montão de lixo! -, ainda poderemos fazer algo de grande de toda a tua miséria.

Caminho, 605

A sinceridade é indispensável para progredir na união com Deus.

– Se dentro de ti, meu filho, há um “sapo”, solta-o! Diz primeiro, como te aconselho sempre, o que não quererias que se soubesse. Depois que se soltou o “sapo” na Confissão, que bem se está!

Forja, 193

4. Por que pedir perdão a um homem e não diretamente a Deus?

Só Deus perdoa os pecados. Por ser o Filho de Deus, Jesus diz de si mesmo: “O Filho do homem tem poder de perdoar pecados na terra” (Mc 2,10) e exerce esse poder divino: “Teus pecados estão perdoados!” (Mc 2,5). Mais ainda: em virtude de sua autoridade divina, transmite esse poder aos homens para que o exerçam em seu nome.

A vontade de Cristo é que toda a sua Igreja seja, na oração, em sua vida e em sua ação, o sinal e instrumento do perdão e da reconciliação que “ele nos conquistou ao preço de seu sangue”. Mas confiou o exercício do poder de absolvição ao ministério apostólico, encarregado do “ministério da reconciliação” (2Cor 5,18). O apóstolo é enviado “em nome de Cristo”, e “é o próprio Deus” que, por meio dele, exorta e suplica: “Reconciliai-vos com Deus” (2Cor 5,20).

Catecismo da Igreja Católica, 1441-1442

Contemplar o mistério

Escreves-me que te chegaste, por fim, ao confessionário, e que experimentaste a humilhação de ter que abrir a cloaca da tua vida – assim dizes tu – diante de “um homem”. – Quando arrancarás essa vã estima que sentes por ti mesmo? Então irás à confissão feliz de te mostrardes como és, diante “desse homem” ungido – outro Cristo, o próprio Cristo! -, que te dá a absolvição, o perdão de Deus.

Sulco, 45

Se alguma vez cais, filho, acode prontamente à Confissão e à direção espiritual: mostra a ferida!, para que te curem a fundo, para que te tirem todas as possibilidades de infecção, mesmo que te doa como numa operação cirúrgica.

Forja, 192

5. Com que frequência devemos confessar?

Ele nunca se cansa de perdoar, mas nós às vezes é que nos cansamos de pedir perdão.

Papa Francisco, Angelus 17 de abril de 2014

Todo o fiel quando chega à idade da razão deve confessar-se ao menos uma vez cada ano. Além disso, quem tiver consciência de se encontrar em pecado grave não pode comungar, sem antes se confessar. Além disso, a Igreja recomenda vivamente a confissão habitual dos pecados veniais, porque ajuda a formar a consciência, a lutar contra as más tendências, a deixar-nos curar por Cristo, a progredir na vida do Espírito.

O apelo de Cristo à conversão continua a soar na vida dos cristãos. Esta segunda conversão é uma tarefa ininterrupta para toda a Igreja, que “reúne em seu próprio seio os pecadores” e que “e ao mesmo tempo santa e sempre, na necessidade de purificar-se, busca sem cessar a penitência e a renovação”. Este esforço de conversão não é apenas uma obra humana. E o movimento do “coração contrito” atraído e movido pela graça a responder ao amor misericordioso de Deus que nos amou primeiro.

O dinamismo da conversão e da penitência foi maravilhosamente descrito por Jesus na parábola do “filho pródigo”, cujo centro é “O pai misericordioso”: o fascínio de uma liberdade ilusória, o abandono da casa paterna; a extrema miséria em que se encontra o filho depois de esbanjar sua fortuna; a profunda humilhação de ver-se obrigado a cuidar dos porcos e, pior ainda, de querer matar a fome com a sua ração; a reflexão sobre os bens perdidos; o arrependimento e a decisão de declarar-se culpado diante do pai; o caminho de volta; o generoso acolhimento da parte do pai; a alegria do pai: tudo isso são traços específicos do processo de conversão. A bela túnica, o anel e o banquete da festa são símbolos desta nova vida, pura, digna, cheia de alegria, que é a vida do homem que volta a Deus e ao seio de sua família, que é a Igreja. Só o coração de Cristo que conhece as profundezas do amor do Pai pôde revelar-nos o abismo de sua misericórdia de uma maneira tão simples e tão bela.

Cf. Catecismo da Igreja Católica, 1428; 1439; 1457

Contemplar o mistério

Enquanto combatemos – um combate que há de durar até a morte -, não excluas a possibilidade de que se ergam, violentos, os inimigos de fora e de dentro. E, como se não bastasse esse lastro, hão de amontoar-se na tua mente, de quando em quando, os erros cometidos, talvez abundantes. Digo-te em nome de Deus: não desesperes. Quando isso suceder – aliás, não é forçoso que suceda, nem será o habitual -, converte essa ocasião em motivo para te unires mais ao Senhor; porque Ele, que te escolheu como filho, não te há de abandonar: permite a prova, sim, mas para que ames mais e descubras com mais clareza a sua contínua proteção, o seu Amor.

Insisto, tem coragem, porque Cristo, que nos perdoou na Cruz, continua a oferecer o seu perdão no sacramento da Penitência e sempre temos um intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo. Ele mesmo é a vítima de propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo, para que alcancemos a Vitória.

Para a frente, aconteça o que acontecer! Bem agarrado ao braço do Senhor, considera que Deus não perde batalhas. Se te afastas dEle por qualquer motivo, reage com a humildade de começar e recomeçar; de fazer de filho pródigo todos os dias, até mesmo repetidas vezes nas vinte e quatro horas do dia; de acertar o coração contrito na Confissão, verdadeiro milagre do Amor de Deus. Neste sacramento maravilhoso, o Senhor limpa a tua alma e te inunda de alegria e de força, para não desfaleceres no combate e para retornares sem cansaço a Deus, mesmo quando te pareça que tudo está às escuras. Além disso, a Mãe de Deus, que é também Mãe nossa, te protege com a sua solicitude maternal e te firma nos teus passos.

Amigos de Deus, 214

Deus seja louvado!, dizias de ti para ti depois de terminares a tua Confissão sacramental. E pensavas: é como se tivesse voltado a nascer.

Depois, prosseguiste com serenidade: “Domine, quid me vis facere?” – Senhor, que queres que eu faça?

– E tu mesmo te deste a resposta: – Com a tua graça, por cima de tudo e de todos, cumprirei a tua Santíssima Vontade: Serviam! – eu te servirei sem condições!

Forja, 238

 

Fonte: Opus Dei

5 músicas que te ajudarão durante a Quaresma

Confira dicas de orações que podem lhe auxiliar neste momento


“Queridos irmãos e irmãs, que o Espírito Santo nos anime nesta Quaresma na subida com Jesus, para fazermos experiência do seu esplendor divino e, assim, fortalecidos na fé, obrigamos o caminho com Ele, glória do seu povo e luz das nações.” – Papa Francisco em mensagem para a Quaresma deste ano (2023).

Neste tempo de mudança, evolução espiritual e purificação, é importante encontrarmos formas de reflexão e conexão com o mais profundo que habita em nós e, claro, com Deus.

Para caminhar por esta passagem importante em nossa fé , a música pode ser um grande amparo e impulsionador, afinal ela também é uma forma de oração.

Pensando nisso, separamos cinco músicas que podem te guiar em suas reflexões e pensamentos.

Confira abaixo!

Desta vez é pra valer – Pe. Zezinho, scj

“Sou projeto de paz que nasceu do teu amor, mas esqueço demais que também sou pecador.  Desta vez é pra valer”.

Teu sou

“Eu não sou nada e do pó nasci, m as Tu me ama e morrestes por mim.  Diante da cruz só posso exclamar ‘ Teu sou, Teu sou'”.

Ninguém te ama como eu – Gabriel Kzam

“Olhe pra cruz, f oi por ti, porque te amo.  Ninguém te ama como eu”.

Salmo 50 – Comunidade Católica Shalom

“Criai em mim um coração  que seja puro, dai-me de novo  um espírito decidido. Ó Senhor,  não me afasteis de sua face,  nem se retireis de mim o seu Santo  Espírito!”.

DignoÉ – Terra da Cruz

“Eu quero viver p ou Tuas dores na cruz e  dizer que Tu és a  alegria em mim e  morrer cada dia a  consolar a Ti”.

Fonte: A12

TEMPO DE CONFISSÃO

Misericórdia, ó Senhor, pois pecamos (Sl 50) 

O tempo da Quaresma é um tempo propício para realizar a nossa confissão sacramental, a Igreja, que é sempre uma Mãe Misericordiosa, recomenda que ao menos uma vez ao ano nos confessemos por ocasião da Páscoa do Senhor. É claro que podemos nos confessar sempre que sentirmos necessidade, até recomendável uma vez ao mês ou a cada três meses. Neste tempo favorável temos a disponibilidade das confissões em nossas paróquias com grande número de sacerdotes para atender as pessoas em preparação para a Páscoa. Teremos também as 24 horas para o Senhor (8 e 9 de março) que é uma nova oportunidade de oração e confissão em nossas igrejas a pedido do Papa Francisco. Neste ano tem como tema “Caminhar numa vida nova” (Rm 6,4). São oportunidade além do atendimento normal que os padres dão em suas paróquias nos horários estabelecidos, além da visita e confissão dos enfermos. 

A confissão é a cura da alma e do Espírito, a confissão é como um remédio que nos cura interiormente. Para nos aproximarmos da Eucaristia e comungarmos temos que estar em estado de graça, ou seja, com a nossa confissão em dia. Temos que estar em estado de graça, sobretudo, para celebrarmos a Páscoa do Senhor. Na verdade, em toda missa celebramos a Páscoa semanal, por isso, devemos sempre estar preparados.  

Ao longo desse tempo quaresmal somos convidados e viver três práticas espirituais: Oração, Jejum e Caridade. Essas três práticas nos ajudam em nossa penitência propostas para esse tempo quaresmal. Até mesmo como forma de reparação de nossos pecados, ou a penitência dada pelo sacerdote após a confissão. Se estamos rezando pouco poderemos intensificar nossa vida de oração, praticar o jejum e abstinência de carne, e ainda se não somos caridosos o suficiente exercer a caridade.  

Para realizar uma boa confissão é necessário preparar-se bem antes, primeiramente podendo, se quiser, escrever os pecados num papel em casa para ajudar a lembrar na hora da confissão. Em segundo lugar chegar mais cedo na Igreja e antes de se dirigir ao confessionário pedir ao Espírito Santo a iluminação necessária para realizar uma boa confissão. Ainda nesse tempo quaresmal temos a oportunidade de participar das celebrações penitenciais que nos ajudam a examinar as nossas consciências para depois nos confessarmos de maneira auricular – ou seja – de maneira individual com o presbítero.  

Temos também a celebração penitencial como nos orienta o ritual próprio que nos prepara para a confissão e arrependimento, pois é uma preparação para depois nos confessarmos, ao final o sacerdote dá benção final e se dirige ao confessionário para aguardar aqueles fiéis que desejem se confessar de maneira auricular. 

Normalmente as paróquias realizam mutirão de confissões durante a Quaresma e disponibilizam vários sacerdotes e horários para confissão como já dissemos acima. Ao longo do período quaresmal procure a sua paróquia e veja qual dia e horário terá a confissão, ou senão, converse com o seu pároco e veja a disponibilidade dele em lhe atender, ou de outra maneira, vá antes ou após as missas diárias.  

Para que a confissão – cujo nome correto é sacramento da Reconciliação – tenha efeito e de fato recebamos o perdão de nossos pecados, é necessário o sincero arrependimento dos pecados e o propósito de não pecar mais. Não adianta nos confessarmos sem nos arrependermos de coração sincero dos pecados cometidos e nem ter no coração o desejo de não pecar mais. Somos humanos e pecadores, por isso sempre cometeremos algum pecado, é de nossa natureza. Por isso, é claro que não devemos apenas confessar no tempo favorável da Quaresma, mas ao longo do ano sempre que sentirmos necessidade, quem sabe mensalmente ou trimestralmente.  

Temos que confessar os pecados considerados graves ou mortais para que sejam perdoados, já os veniais são aqueles mais leves, que cometemos corriqueiramente no dia a dia e podemos pedir o perdão no ato penitencial durante a missa. Mas, nada impede de confessarmos os pecados veniais também. É prudente confessar-se com frequência, mesmo os pecados veniais, porque se recebe um dom da graça. E como já dissemos é necessário estar em estado de graça para se aproximar da Eucaristia, ou seja, livres de todo o pecado. 

A confissão tem que ser bem-preparada, não podemos fazê-la com pressa e sem nos prepararmos, pois tudo o que é feito com pressa não sai muito bem. Quem sabe podemos ir nos preparando para a confissão ao longo de uma semana, sempre à noite, examinando as nossas consciências e escrevendo num papel os pecados. Que os pais também possam ensinar aos filhos a importância da confissão e sobre estar sempre em estado de graça, sobretudo as crianças que estão na catequese, a partir dos nove anos.  

A confissão tem que ser de maneira auricular e diante do sacerdote, a absolvição geral só é permitida em caso de doença grave ou em caso de algum acidente com risco de morte e que envolva muitas pessoas, tendo um sacerdote presente ele profere a absolvição dos pecados. Por isso, ao longo da celebração penitencial não deve haver a absolvição geral, somente individual ao final da celebração.  

A confissão não é normalmente uma orientação espiritual e nem uma conversa, pois durante a confissão tem que ser direto, falar dos pecados cometidos e ouvir a orientação do sacerdote, se for oportuno, esperar a absolvição dos pecados e orientação de alguma penitência a ser praticada. A confissão não deveria ser um bate papo com o padre, podemos conversar com o padre ou mesmo pedir uma orientação espiritual depois, em outro momento e não no confessionário. Por isso, ao se preparar para a confissão temos de entender bem o que é a confissão, ela consiste em falar ao sacerdote de nossos pecados, não é orientação espiritual, bate papo e nem devemos falar do pecado dos outros, mas apenas os nossos pecados.  

A Igreja nos oferece vários textos penitenciais que podemos ler nesse período quaresmal e em preparação da nossa confissão, como por exemplo, alguns salmos, leituras do Antigo e do Novo Testamento. Essas leituras podemos meditar em casa ou na Igreja, durante os dias de semana ou antes da confissão.  

A confissão pode ser entendida como uma limpeza que fazemos em nossa casa, tem momentos que precisamos tirar a “poeira” para podermos respirar melhor e a casa ficar limpa. Com a confissão “limpamos” o nosso coração, varremos toda a “poeira” que nos impedia de sermos livres em Deus. É voltar a vestir a veste branca do batismo, agora lavada pelo sangue de Cristo. Por isso, não devemos esperar muito para nos confessarmos, a Igreja recomenda na Quaresma ou Advento, mas o ideal seria que nos confessássemos uma vez por mês, para a “poeira” não acumular dentro de nós e estarmos com o coração sempre limpo para Deus.  

Após realizar a confissão e o sacerdote dar a absolvição dos pecados, dirija-se à Capela do Santíssimo Sacramento e agradeça a Deus pela confissão realizada. Temos que sempre ser gratos a Deus, pois Ele sempre está pronto a nos perdoar. Do mesmo modo que temos que chegar antes na Igreja para nos prepararmos para a confissão, não podemos sair correndo depois, mas ficar na Igreja para agradecer a confissão realizada.  

Participemos desse importante sacramento da Igreja deixado por Jesus e realizemos a nossa confissão sacramental, abramo-nos ao perdão e a misericórdia de Deus. Ele é bom e compassivo e sempre está pronto a nos perdoar. Que possamos nos preparar bem para esse momento e quando chegar a Páscoa estarmos “limpos” perante Deus. Deus não se cansa de nos perdoar lembra sempre o Papa Francisco.  

Fonte: CNBB

CÁTEDRA DE SÃO PEDRO

A festa de hoje coloca em evidência a Cátedra de São Pedro, ou seja, a missão peculiar que Jesus confiou a Pedro. Esta festa remonta ao século III e se distingue do martírio de Pedro, em 29 de junho. Esta data nasceu para destacar a “Cátedra” de Pedro, lugar onde o Bispo de Roma reside e governa. A “Cátedra”, sede fixa do Bispo, na igreja mãe de uma Diocese, daí o nome “Catedral”, é símbolo da sua autoridade e doutrina evangélica, que ele, como sucessor dos Apóstolos, é chamado a preservar e transmitir à comunidade cristã. Podemos dizer que a primeira “catedral” foi o Cenáculo, onde Jesus reuniu os seus discípulos para a Última Ceia e onde, junto com a Virgem Maria, receberam o dom do Espírito Santo. Com o passar do tempo, Pedro transferiu-se para Antioquia, cidade evangelizada por Barnabé e Paulo, onde os discípulos de Jesus foram chamados “cristãos” pela primeira vez (Atos 11,6). Pedro foi o primeiro Bispo de Antioquia. Por isso, esta cidade celebrava uma “festa própria” da Cátedra de Pedro, no dia 22 de fevereiro. A seguir, Pedro foi para Roma, onde concluiu a sua vida terrena com o martírio. Por este fim “glorioso” da sua existência, Roma foi considerada sede da “Cátedra” de Pedro, celebrada em 18 de janeiro. Em 1960, o Papa João XXIII uniu as duas festas, abolindo a de 18 de janeiro. Logo, esta festa representa a autoridade pastoral e magistral, que Cristo conferiu ao apóstolo Pedro, segundo a passagem evangélica da liturgia de hoje. Os testemunhos de São Jerônimo e Santo Agostinho ajudam-nos a compreender melhor seu significado e valor. São Jerônimo escreve: “Decidi consultar a cátedra de Pedro, onde se encontra aquela fé que a boca de um Apóstolo exaltou; agora venho pedir um alimento para a minha alma ali, onde, outrora, recebi a veste de Cristo. Não busco outra primazia, a não ser a de Cristo; por isso, ponho-me em comunhão com a tua bem-aventurança, ou seja, com a cátedra de Pedro. Sei que sobre esta pedra está edificada a Igreja“. Santo Agostinho acrescenta: “A instituição da solenidade de hoje recebeu o nome de Cátedra dos nossos predecessores, porque, se diz, que o primeiro apóstolo, Pedro, tomou posse da sua Cátedra episcopal. Por este preciso motivo, as Igrejas honram a origem da Sede, que o Apóstolo aceitou para o bem das Igrejas”.

Naquele tempo, ao chegar ao território de Cesareia de Filipe, Jesus perguntou a seus discípulos: “No dizer do povo, quem é o Filho do Homem”?. Responderam: “Uns dizem que é João Batista; outros, Elias; outros, Jeremias ou algum dos profetas”. Disse-lhes Jesus: “E vós, quem dizeis que eu sou”? Simão Pedro respondeu: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo”!. Jesus, então, lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus. E eu declaro: Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra, será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra, será desligado nos céus” (Mt 16,13-19).

“Tu és o Cristo!”

Jesus interroga os seus discípulos e, depois de lhes perguntar o que “o povo” pensa dele, encurta a questão, dizendo: “E vós, quem dizeis que eu sou”?. Esta questão perpassa os séculos, a fim de confirmar que a fé em Jesus é fé em Deus, no Senhor Jesus Cristo, e se coliga com a função de Pedro e de seus Sucessores. O barco da Igreja e da sua história tem como leme Jesus, Filho de Deus: não há tormentas que façam sucumbir este barco.

Sinal de unidade

Pedro e seus Sucessores, escolhidos como “sinal e princípio visíveis da unidade”, são pontos de referência para prosseguirmos no nosso caminho, com confiança e segurança. Enfim, celebrar a festa da “Cátedra” de Pedro significa atribuir-lhe um forte significado espiritual e reconhecê-la como sinal privilegiado do amor de Deus, Pastor bom e eterno, que quer reunir toda a sua Igreja e a guiar rumo à salvação.

Fonte: Vatican News

A “primeira quaresma” da história

A Quaresma recorda tanto os quarenta anos do povo de Israel no deserto quanto os quarenta dias de jejum de Jesus, também no deserto. Mas há uma outra “quaresma”, do Antigo Testamento, da qual muitas vezes não nos lembramos…


A Quaresma faz referência aos quarenta anos do povo de Israel no deserto e aos quarenta dias de jejum de Jesus, também no deserto. Mas uma referência da qual muitas vezes não nos lembramos é que, pela mesma quantidade de dias, graças à pregação do profeta Jonas, o povo de Nínive jejuou e conseguiu poupar a cidade da destruição. Foi a “primeira quaresma” da história.

É tão forte a relação entre esse tempo litúrgico e a história de Nínive que, nas orações tradicionais que os sacerdotes faziam sobre as cinzas, no primeiro dia da Quaresma, a Igreja toda chegava a pedir a Deus a graça de imitar os ninivitas em sua penitência:

Orémus: Omnípotens sempitérne Deus, qui Ninivítis in cínere et cilício paeniténtibus, indulgéntiae tuae remédia praestitísti: concéde propítius; ut sic eos imitémur hábitu, quátenus véniae prosequámur obténtu. Per Christum Dóminum nostrum. — Oremos: Deus eterno e todo-poderoso, que destes aos ninivitas, por fazerem penitência na cinza e no cilício, os remédios de vossa indulgência: concedei-nos, propício, imitá-los de tal modo na mortificação, que alcancemos como eles o vosso perdão. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Hoje, apesar de as orações sobre as cinzas terem sido bastante simplificadas no novo Missal, a referência a Jonas e Nínive continua presente no Lecionário, mais especificamente na quarta-feira da 1.ª Semana da Quaresma (o primeiro dia das Têmporas de Outono). A leitura é tirada de Jn 3, 1-10 e o Evangelho, de Lc 11, 29-32.

“Jonas pregando aos ninivitas”, de Gustave Doré.

Tomando porém o relato veterotestamentário na íntegra, desde a fuga de Jonas da presença de Deus, passando por seu cativeiro no ventre de uma baleia, até a sua revolta em ver poupada a cidade de Nínive, o que mais chama atenção é a vontade firme que Deus tem de salvar os ninivitas. Toda a história do livro de Jonas é, na verdade, a da salvação de Nínive. De nenhuma outra missão foi encarregado o profeta, senão desta: “Levanta-te, vai a Nínive, a grande cidade, e profere contra ela os teus oráculos, porque sua iniquidade chegou até a minha presença” (Jn 1, 2).

Aqui fica patente, desde o princípio, uma realidade da qual hoje muito pouco se fala: Deus é justo e castiga os homens por seus pecados. “Verdade ultrapassada”, alguns podem dizer. Ao que respondemos, simplesmente: se Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre, e se Ele declarou ser a própria Verdade, é simples arrogância nossa querer impor um “prazo de validade” às suas palavras. Se Deus de fato castigava no Antigo Testamento, por que deixaria de fazê-lo agora — especialmente agora em que, mais agraciados por Ele, aumenta em nós o dever de corresponder ao seu amor?

Não sem razão o Papa S. João Paulo II recordava, em sua Carta Apostólica Salvifici Doloris (n. 10), que:

Ao mal moral do pecado corresponde o castigo, que garante a ordem moral no mesmo sentido transcendente em que esta ordem foi estabelecida pela vontade do Criador e Supremo Legislador. Daqui se segue também uma das verdades fundamentais da fé religiosa, baseada igualmente na Revelação; ou seja, que Deus é juiz justo, que premeia o bem e castiga o mal: “Vós, Senhor, sois justo em tudo o que fizestes; todas as vossas obras são verdadeiras, retos os vossos caminhos, todos os vossos juízos se baseiam na verdade, e tomastes decisões conforme a verdade em tudo o que fizestes que nos sobreviesse e à cidade santa dos nossos pais, Jerusalém. Sim, em verdade e justiça nos infligistes todos estes castigos por causa de nossos pecados” (Dn 3, 27ss).

Deus, porém, não é um ser vingativo que quer simplesmente “fulminar” suas criaturas. É à luz do desejo de Deus por nossa salvação que devemos ler todos os relatos bíblicos sobre a “ira” e os “castigos” divinos. Como diz uma antífona que rezamos continuamente na Quaresma: Vivo ego, dicit Dóminus: nolo mortem peccatóris, sed ut magis convertátur, et vivat, “Vivo, diz o Senhor: não quero a morte do pecador, mas antes que se converta e viva”. É, pois, para que nos emendemos, para que mudemos de vida, que Deus nos busca. Muitas vezes com o chicote.

E Ele nos busca como buscou os ninivitas, persistindo com Jonas, apesar de sua teimosia e resistência, para que profetizasse em Nínive. Busca-nos também como buscou os judeus do tempo de Jesus. Estes, porém, diferentemente daqueles, fizeram ouvidos moucos à voz de Deus e não trilharam o caminho da penitência. Por isso diz Nosso Senhor no Evangelho:

Esta geração é uma geração má. Ela busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal de Jonas. Com efeito, assim como Jonas foi um sinal para os ninivitas, assim também será o Filho do Homem para esta geração. […] No dia do julgamento, os ninivitas se levantarão juntamente com esta geração e a condenarão. Porque eles se converteram quando ouviram a pregação de Jonas. E aqui está quem é maior do que Jonas (Lc 11, 29-30.32).

O relato da conversão dos ninivitas é, de fato, prodigioso. Apesar de toda a má vontade de Jonas, que não queria a salvação de Nínive e percorreu a cidade dizendo simplesmente: “Daqui a quarenta dias, Nínive será destruída” (Jn 3, 4), o próprio rei da cidade “levantou-se de seu trono, tirou o manto, cobriu-se de saco e sentou-se sobre a cinza” (v. 6); depois, publicou pela cidade um decreto proibindo “aos homens e aos animais, tanto do gado maior como do menor, comer o que quer que seja, assim como pastar ou beber” (v. 7). Ou seja, diante do aviso do castigo de Deus, a reação dos ninivitas foi de prontidão. Imediatamente se puseram a fazer penitência, implorando a Deus misericórdia pela cidade.

O que aconteceu, então, em consequência? “Diante de uma tal atitude, vendo como renunciavam aos seus maus caminhos, Deus arrependeu-se do mal que resolvera fazer-lhes, e não o executou” (v. 10). O arrependimento dos homens gera o “arrependimento” de Deus. Lembrando sempre, porém, que essa é uma linguagem metafórica; ou seja, a verdade é que Deus, desde toda a eternidade, já havia decidido salvar a cidade de Nínive, mas Ele queria fazer isso através da pregação de Jonas e da penitência dos ninivitas. Sendo onipotente, Ele poderia fazer tudo isso de outro modo, mas — parafraseando S. Agostinho — o Deus que nos criou sem a nossa ajuda não a dispensa para nos salvar.

Também hoje, Deus quer a nossa penitência. A Quaresma é um tempo litúrgico favorável para que nós, ouvindo a voz de Cristo, da sua Igreja, dos seus santos, dos seus sacerdotes, nos voltemos para nós mesmos, reconheçamos os nossos pecados e mudemos de mentalidade e de vida. Nem Jonas nem Jesus vieram para encontrar “elementos positivos” em nossos pecados, como hoje, infelizmente, muitos procuram fazer, às vezes dentro da própria Igreja. Não, a mensagem que vieram trazer — e que os santos têm repetido ao longo desses dois mil anos de história da Igreja — é apenas esta: “Se não vos converterdes, perecereis todos” (Lc 13, 5).

“Perecereis”, diz o Senhor. Mas entendamos bem: o que está em jogo não é a destruição de uma cidade, tampouco a morte física, o perecimento natural de nossos corpos. O que está em xeque é a nossa salvação eterna.

Uma última coisa, a respeito da palavra “cilício”, presente na oração que transcrevemos acima: o uso desse instrumento jamais foi reprovado pela Igreja. Ninguém vai ouvir, hoje, recomendações públicas do uso específico do cilício; e quem o usa, evidentemente, tampouco sairá por aí anunciando o fato aos quatro ventos. O que precisamos saber é que se trata de um instrumento legítimo de penitência, e não de “tortura” — como tem procurado fazer crer, em nossa época, uma forte propaganda anticatólica.

Para quem quiser entender em que, de fato, consiste esse objeto e qual a sua finalidade, recomendamos que assistam ao vídeo a seguir, de nosso programa “A Resposta Católica”.

Fonte: padrepauloricardo.org

QUARESMA E AMIZADE SOCIAL

A partir de Quarta-feira de Cinzas, a Igreja vai nos ajudar a fazermos um caminho   místico  na vivência do tempo litúrgico da  Quaresma. Trata-se de um tempo muito especial e propício para trabalharmos, com mais intensidade, contra todas as situações de pecado que tendem  entranhar em nossas vidas,  nos   desviando do  caminho desejado por Deus e concretizado de maneira especial na pessoa do seu filho Jesus. É um tempo de reflexão que deve nos levar ao entendimento de que não estamos sozinhos, neste mundo, mas  caminhamos juntos e, cada um  têm o seu valor. 

Neste tempo de Quaresma a Igreja nos convida a rever algumas práticas, dentre elas: a nossa vida de oração, a nossa capacidade de superação dos nossos desejos através da prática fervorosa do jejum, da penitência e da esmola  que podemos traduzir, com tranquilidade, para a virtude da caridade, que é o olhar para o irmão. 

Ao  receber as cinzas, nós sinalizamos que estamos abertos a compreender a fugacidade da vida,  que  só tem sentido no seu Criador. A Quaresma se torna para nós um caminho espiritual de preparação para a Páscoa, pois no final deste tempo renovador brilhará para nós a luz da vitória, na ressurreição de Jesus, o filho de Deus. 

Quaresma não é  uma atitude individualista, ou intimista, mas é uma atitude comunitária. Quem entendeu muito bem esta realidade foi dom Eugênio Sales que no ano de 1962, na Arquidiocese de Natal (RN), deu início à Campanha da Fraternidade,  no território em que ele pastoreava. Mas foi no ano de 1964 que Dom Hélder Câmara com a aprovação dos Bispos, a implantou em nível nacional. Iniciou-se um caminho gerando um ambiente quaresmal que pudesse alcançar o coração de todos os cristãos levando-os ao coração do Evangelho. 

Há uma tendência muito grande em todos nós de nos fecharmos. Esse fechamento tem sinais desde o princípio nos conflitos elucidados pelas Sagradas Escrituras, mas não é este o desejo de Deus, pois ele deseja uma humanidade aberta em que todos possam  se amar.  

Cada ser humano que está neste mundo tem o seu valor. Numa sociedade em que tudo se torna descartável,  é dolorido perceber que muitas pessoas são descartadas por qualquer motivo. Qual é o valor do ser humano para Deus e para nós? Para  Deus o ser humano tem o valor de filho, por isso é herdeiro e habitado pelo seu imenso amor, a ponto mesmo de ser salvo pelo derramamento do sangue do seu Filho Jesus. Para nós, perdidos nas pequenas experiências de nossas vidas, corremos o risco de nos fecharmos valorizando apenas a nós mesmos. 

Por isso, neste ano de 2024, a Igreja que já vem ha 60 anos, celebrando a Campanha da Fraternidade, traz o tema da Fraternidade e Amizade Social iluminado pelo lema “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Cf.  Mt 23,8). 

É um tema profundamente necessário e importante para ser trabalhado e vivenciado não só na Quaresma, mas ao longo do ano. Esta campanha mantém  uma abertura para o infinito, onde todos são chamados a viverem numa comunhão profunda entre si e com a Trindade Santa. 

Entremos,  com amor no tempo quaresmal procurando o vivenciar na prática do jejum, da esmola, da oração e da amizade social, pois quando se refere a amizade social se refere de maneira especial ao amor desejoso de abraçar a todos, comunicar, ir além das fronteiras, romper os isolamentos, viver a vocação para formar uma comunidade feita de irmãos, alargar o coração e o círculo das amizades fazendo com que o amor esteja presente em todas as relações sociais. 

O ponto de partida para vivência deste tema dentro da Campanha da Fraternidade e da Quaresma é: O quanto vale um ser humano? Para Deus ele tem um valor infinito e, para nós? 

Na vivência deste tema vamos descobrir a beleza de sermos criados por Deus, o quanto ele nos ama e onde a criação está ferida e precisa ser curada. A Quaresma e a Campanha da Fraternidade nos levem a vivermos uma experiência profunda de amor, compromisso, justiça e paz. 

Fonte: CNBB

Hoje a Igreja celebra são Francisco e santa Jacinta Marto, videntes da Virgem de Fátima

pastorinhos
São Francisco e santa Jacinta Marto

“Rezem, rezem muito e façam sacrifícios pelos pecadores, pois muitas almas vão ao inferno porque não há quem se sacrifique e peça por elas”, foi o que pediu Nossa Senhora de Fátima a Francisco, Jacinta e Lúcia. E, hoje (20), a Igreja recorda a memória de dois desses pastorinhos, os santos Francisco e Jacinta Marto.

Francisco Marto nasceu em 1908 e Jacinta, dois anos depois. Desde pequenos aprenderam a tomar cuidado com as más companhias e, por isso, preferiam estar com sua prima Lúcia, que costumava lhes falar sobre Jesus. Os três cuidavam das ovelhas, brincavam e rezavam juntos.

De 13 de maio a 13 de outubro de 1917, a Virgem lhes apareceu em várias ocasiões na Cova de Iria (Portugal). Durante estes ocorridos, suportaram com valentia as calúnias, injúrias, más interpretações, perseguições e a prisão. Eles diziam: “Se nos matarem, não importa; vamos ao céu”.

Logo depois das aparições, Jacinta e Francisco seguiram sua vida normal. Lúcia foi para a escola, tal como pediu a Virgem, e era acompanhada por Jacinta e Francisco. No caminho, passavam pela Igreja e saudavam Jesus Eucarístico.

Francisco, sabendo que não viveria muito tempo, dizia a Lúcia: “Vão vocês ao colégio, eu ficarei aqui com o Jesus Escondido”. Ao sair do colégio, as meninas o encontravam o mais perto possível do Tabernáculo e em recolhimento.

O pequeno Francisco era o mais contemplativo e queria consolar Deus, tão ofendido pelos pecados da humanidade. Em uma ocasião, Lúcia lhe perguntou: “Francisco, o que prefere, consolar o Senhor ou converter os pecadores?”. Ele respondeu: “Eu prefiro consolar o Senhor”.

“Não viu que triste estava Nossa Senhora quando nos disse que os homens não devem ofender mais o Senhor, que já está tão ofendido? Eu gostaria de consolar o Senhor e, depois, converter os pecadores para que eles não ofendam mais ao Senhor”. E continuou: “Logo estarei no céu. E quando chegar, vou consolar muito Nosso Senhor e Nossa Senhora”.

Jacinta participava diariamente da missa e tinha grande desejo de receber a Comunhão em reparação dos pobres pecadores. Atraía-lhe muito estar com Jesus Sacramentado. “Gosto tanto de dizer a Jesus que O amo”, repetia.

Certo dia, pouco depois da quarta aparição, Jacinta encontrou uma corda e concordaram em reparti-la em três e colocá-la na cintura, sobre a carne, como sacrifício. Isto os fazia sofrer muito, contaria Lúcia depois. A Virgem lhes disse que Jesus estava muito contente com seus sacrifícios, mas que não queria que dormissem com a corda. Assim o fizeram.

Concedeu a Jacinta a visão de ver os sofrimentos do papa. “Eu o vi em uma casa muito grande, ajoelhado, com o rosto entre as mãos, e chorava. Fora, havia muita gente; alguns atiravam pedras, outros diziam imprecações e palavrões”, contou ela.

Por isso e outros feitos, as crianças tinham presente o papa e ofereciam três Ave Maria por ele depois de cada Rosário. Do mesmo modo, as famílias iam a eles para que intercedessem por seus problemas.

Em uma ocasião, uma mãe rogou a Jacinta que pedisse por seu filho que se foi como o filho pródigo. Dias depois, o jovem retornou para casa, pediu perdão e contou a sua família que depois de ter gastado tudo o que tinha, roubado e estado no cárcere, fugiu para bosques desconhecidos.

Quando se achou completamente perdido, ajoelhou-se chorando e rezou. Nisso, viu Jacinta que o pegou pela mão e o conduziu até um caminho. Assim, pôde retornar para casa. Logo interrogaram Jacinta se tinha se encontrado com o moço e ela disse que não, mas que tinha rogado muito à Virgem por ele.

Em 23 de dezembro de 1918, Francisco e Jacinta adoeceram de uma terrível epidemia de broncopneumonia. Francisco foi piorando aos poucos durante os meses posteriores. Pediu para receber a Primeira Comunhão e, para isso, confessou-se e guardou jejum. Recebeu-a com grande lucidez e piedade. Depois, pediu perdão a todos.

“Eu vou ao Paraíso; mas de lá pedirei muito a Jesus e à Virgem para que os leve também logo”, disse para Lúcia e Jacinta. No dia seguinte, em 4 de abril de 1919, partiu para a casa do Pai com um sorriso angelical.

Jacinta sofreu muito pela morte de seu irmão. Mais tarde, sua enfermidade se complicou. Foi levada ao hospital da Vila Nova, mas retornou para casa com uma chaga no peito. Logo confiaria a sua prima: “Sofro muito; mas ofereço tudo pela conversão dos pecadores e para desagravar o Coração Imaculado de Maria”.

Antes de ser levada ao hospital de Lisboa, disse para Lúcia: “Já falta pouco para ir ao céu… Diga a todos que Deus nos concede as graças por meio do Coração Imaculado de Maria. Que as peçam a Ela, que o Coração de Jesus quer que ao seu lado se venere o Imaculado Coração de Maria, que peçam a paz ao Imaculado Coração, que Deus a confiou a Ela”.

Operaram Jacinta, tiraram-lhe duas costelas do lado esquerdo e ficou uma grande chaga como de uma mão. As dores eram espantosas, mas ela invocava a Virgem e oferecia suas dores pela conversão dos pecadores.

Em 20 de fevereiro de 1920, pediu os últimos sacramentos, confessou-se e rogou que a levassem o viático porque logo morreria. Pouco depois, partiu para a Casa do Pai com dez anos de idade.

Os corpos do Francisco e Jacinta foram transladados ao Santuário de Fátima. Quando abriram o sepulcro de Francisco, viram que o Rosário que colocaram sobre seu peito estava envolvido entre os dedos de suas mãos. Enquanto o corpo de Jacinta, 15 anos depois de sua morte, estava incorrupto.

Fonte: ACI Digital

INTERPELAÇÕES DA QUARESMA

A Quaresma, neste tempo que corre veloz, chega para qualificar a vida de todos, pela luz luzente da Palavra de Deus, pela riqueza de seus propósitos e do seu horizonte. O tempo quaresmal propõe uma disciplina – caminhar pelo “deserto”, dinâmica para encontrar Deus e, assim, dissipar as sombras de rostos envelhecidos pela frieza da vaidade, de olhares anuviados por fantasias. Rostos e olhares incapazes de enxergar a direção de mudanças essenciais para reconquistar o sentido da vida.  A travessia do “deserto”, interpelação da Quaresma, contribui para vencer superficialidades, curar o ser humano de indiferenças que matam, afastando-o de lógicas perversas. Acatar o convite desafiador de vivenciar o “deserto” é compreender que há um bem essencial a ser resgatado.  Bem que foi perdido pelos estreitamentos de quem é benevolente apenas com os que partilham pontos de vista e perspectivas ideológicas, pela força do pecado que contamina a condição humana.  

Caminhar “deserto adentro”, com a motivação de encontrar Deus, única fonte capaz de saciar o ser humano, inclui prestar atenção em mandamentos que se configuram como dinâmica educativa e qualificadora da vida. Um exercício essencial para conquistar e desenvolver adequada sensibilidade na recomposição interior de cada um. Na travessia deste tempo quaresmal, ecoa mais forte o trinômio jejum, oração e esmola, práticas simples e exequíveis, conforme as possibilidades de cada pessoa. São práticas capazes de devolver ao coração do ser humano uma percepção adequada da realidade, com propriedades para alavancar correções e configurar novas respostas para muitos problemas, inspirando a participação qualificada na construção do bem comum.  

O caminho pelo “deserto” confronta situações de escravidão, constituindo itinerário para efetivar a conquista da autêntica liberdade. Com simplicidade, as dinâmicas do jejum, da caridade e da oração empreendem um processo de recomposição necessário e urgente, para enfrentar os muitos adoecimentos provocados pelos vazios existenciais. Levam à qualificação do ser humano, capacitando-o para partilhar palavras capazes de renovar esperanças, para agir na reconfiguração do tecido sociopolítico. O “deserto” a percorrer é a interioridade de cada um, com “regiões” inóspitas que devem ser trabalhadas. Não se pode cuidar apenas de problemas externos, mas buscar também qualificação interna, inclusive para adequadamente contribuir na edificação de um novo tempo para a humanidade.   

A prática do jejum, da oração e da esmola não se limitam às restrições de alimento, ao dizer alguma jaculatória ou mesmo dispor de algo supérfluo em favor de quem não tem nada. A conquista proposta e possível com o jejum, a oração e a esmola é de uma estatura humana e espiritual capaz de garantir paz interior e fazer, do ser humano, um instrumento de Deus para transformar o mundo.  No horizonte deste indispensável propósito, sem concorrer com as vivências das práticas quaresmais, a Igreja Católica no Brasil promove a Campanha da Fraternidade. Vale lembrar, como memória agradecida, a importância desta promoção, já por sessenta anos, com a propriedade específica de lançar o olhar sobre a sociedade brasileira, para permitir que a luz da fé enseje um caminho que leve à sua transformação. A sociedade brasileira sofre por incompetências nos diferentes desempenhos cidadãos e pela fraqueza do testemunho de fé, perpetuando descompassos e adiando soluções para problemas urgentes.  

A Campanha da Fraternidade 2024, como estrela no horizonte das luminosidades da Quaresma, à luz da recomendação-advertência de Jesus, “Vós sois todos irmãos e irmãs”, desafia com o desenho da meta de se pautar as relações na amizade social, conforme as lúcidas e interpelantes argumentações do Papa Francisco, na sua Carta Encíclica Fratelli Tutti. Amizade Social se põe, então, como nobre propósito e meta para a vivência da fé e da cidadania qualificada. Um propósito sem fronteiras, para além de objetivos confessionais, pois se trata de demanda urgente da contemporaneidade. Essa urgência é evidenciada pela prejudicial indiferença que contamina relações, pela divisão e pelos confrontos com consequências graves e perdas irreversíveis, principalmente para os mais pobres.  

Os que creem e todos os que buscam exercer a cidadania de modo qualificado precisam lembrar do que diz o Papa Francisco: todos estão no mesmo barco, perecendo ou salvando-se juntos. Todos são chamados a investir, abnegadamente, na amizade social. Amizade é, pois, um sentimento precioso, dom de Deus, que torna exitoso projetos e processos, na contramão de inimizades que incendeiam guerras.  O propósito é cada um se tornar construtor da amizade social pelo insubstituível caminho do diálogo, que edifica horizontes novos de compreensão. 

 É hora oportuna de compreender mais e promover a amizade social, no inspirador horizonte da Carta Encíclica do Papa Francisco, investindo no amor que é base das relações sociais, ultrapassando fronteiras. Esse amor precisa ser vivido como compromisso – comunicar com a vida a mensagem de Deus, aprendendo e efetivando a lição do Mestre Jesus: “Vós sois todos irmãos e irmãs”. A verdade anunciada pelo Mestre ecoe forte nos corações, para que sejam efetivadas posturas coerentes com o princípio da amizade social, para alavancar tempos novos marcados pela fraternidade universal. 

Fonte: CNBB